7 dicas do que não fazer no social media marketing

7 dicas do que não fazer no social media marketing

 

Por Pyr Marcondes, na Innovation Insider

Não é mais uma questão de se as empresas devem ou não ter estratégias de mídia social em sua gestão de marketing. É uma questão de como fazer. E o como fazer implica também em conhecer as armadilhas. Ou o que não fazer.

Aqui 7 dicas do que evitar a todo custo.

# 1: Manipula aí e veja quanto lucramos
Tratar seu público como um bando de idiotas é a melhor forma de provar a eles que o idiota é você. Nas mídias sociais tudo se revela. Esqueça o martketing dos tempos em que você tinha o controle, Você não tem mais. O controle é social. Social quer dizer: da sociedade. Você e sua marca são apenas um pedaço do todo e na maior parte das vezes nem tão importante assim. Esteja pronto para ser de verdade.

# 2: Liga a máquina que ela dá conta
Mesmo com os avanços da tecnologia e do learning machine, hoje e por enquanto, robôs ainda continuam sendo robôs. Você já tentou conversar com um? Eles são maquinalmente amáveis, mas continuam sendo impessoais. Os sistemas de atendimento automático nunca susbtituirão o toque humano (pelo menos, ainda não). Pondere o uso das máquinas, que são altamente eficientes para muitas coisas, mas integre equipes de community managers inteligentes e flexíveis nos seus contatos com seu púbico nas redes sociais. Seja num help desk ou nas páginas das suas redes sociais. Você já foi mal-atendido certamente por uma máquina numa empresa por aí e, certamente, não ficou nada satisfeito Não replique essa experiência na sua própria empresa.

# 4: Põe no ar e vamos para outra
Aí você decidiu que sua marca tem que estar nas redes sociais. Pronto. É uma decisão inteligente e em linha com os tempos modernos. Você manda sua equipe e suas agências montarem esquemas de redes sociais. Pronto, sua empresa está atualizada. Vamos para outra tarefa rápido, que temos muito mais o que fazer, certo?. Pé. Você acaba de ser gongado pela dura realidade das redes sociais. Elas são uma opção de vida, não uma estratégia congelada e estanque de marketing. Se você, sua empresa, suas marcas, seu marketing enfim, optou por estar presente nas redes sociais, nunca, jamais trate essa opção como algo pontual e supérfluo. Hoje, é nas redes sociais que as marcas e suas ações de marketing ganham um envolvimento com a sociedade como nunca antes, em nenhum outro momento na história do marketing. Trate as redes sociais como uma opção definitiva, que precisa ser nutrida todo dia, todos os minutos, aliás. Ou sua marca vai pagar um alto custo se não fizer assim.

# 5: One size fits all
Os sites de mídia social não foram criados iguais. Como anunciante, você precisa considerar as nuances, as particularidades e os atributos de cada um deles. Cada tipo de interação conta e cada uma é diferente da outra. Sim, é um trabalhão, mas agora é assim que é. Se as suas estratégias sociais para Twitter, Facebook e LinkedIn são exatamente a mesma é melhor pensar de novo.

# 6: Grupos não tem nome nem cara. São estatística.
Se você quer fazer amigos on-line você precisa ser simpático, correto Na sua vida particular. Sua marca também. Aliás, sua marca é uma pessoa online. Pense assim. E do lado de lá são pessoas reais, cada qual diferente da outra. E você precisa falar com cada uma delas individualmente. Pessoalmente, como um amigo. Recursos tecnológicos para isso já existem. Use-os. Não seja um grosso.

#7: Somos uma ilha. Vamos cuidar da nossa vida.
Houve, sim, uma época em que as empresas cuidavam apenas das coisas intra-muros, entre suas próprias e exclusivas quatro paredes. Décadas atrás, bem antes da internet, a ideia de que as empresas são parte da sociedade, proliferou. Até porque é uma ideia óbvia. Após o advento da internet e, particularmente, das redes sociais, sua empresa e seus desafios deixaram de ser algo que só importa à corporação. Passou a importar a todos com quem sua marca se comunica. Sua empresa não será, nunca mais, uma ilha. E as redes sociais são o mais rico e poderoso acesso do seu marketing a seu público-alvo. Use sem moderação.