Safetymails, verificador de email, disponibiliza gratuitamente sua pesquisa

Qualidade das bases de emails

Pesquisa qualidade das bases de emails 2021

Afinal, quem falou com quem em 2020? Enquanto o tráfego aéreo quase não existiu, o tráfego digital foi o mais intenso, desde a criação da internet. E as consequências para quem não tinha sua base de e-mail em dia, e não fizeram a verificação de email foram proporcionalmente desastrosas. 💣💣💣

O que a pesquisa revelou?

No ano em que quase não teve shopping aberto, quase não teve academia, nem escritório, teve foi muito esforço para realmente chegar perto de clientes novos e antigos. Isso vocês já sabem, é claro. E muitos devem ter vivido essa situação dos dois lados: como empresa e como cliente. Por isso mesmo, concordam que a principal porta, que se abria todos os dias, era a do email. Pelo menos, uma vez por dia, todo mundo checava sua conta, com tempo para ler o que aparecia por ali.

 

download-pesquisa-qualidade-dos-emails

 

 

Quanta gente entrou por essa porta?

Mais de 11 milhões de pessoas – que não compravam online – fizeram sua primeira compra, isso só entre abril e setembro. Consumidores que não estavam acostumados a preencher cadastro online, digitar informações, confirmar e-mail e contatos, completar transações…

Conclusão?

Muitos se perderam no meio do caminho. E o meio do caminho era exatamente a base de e-mails de alguém… Não é à toa que os e-mails inválidos explodiram. Pior: Das 25 categorias que entraram na pesquisa, nenhuma ficou abaixo da barreira de 3% de bounces. Relembrando: 3% de hard bounces que são a trave de tantos provedores. Dali, é quase certo que a próxima parada é uma blacklist e campanha paralisada! Olha só o prejuízo.

Quer comparar com a Pesquisa de 2019? Clica aqui.

Justiça seja feita, não foram só esses recém-chegados.

Quem já tinha mais intimidade com a tecnologia também se valeu de recursos perigosos, como a compra de bases. Os spamtraps, emails armadilha de provedores e blacklists, cresceram acima (bem acima) dos 100%. E os e-mails temporários então! Subiram mais de mil por cento. Setor mais atingido? SAAS e finanças e investimentos. Mas, os demais não escaparam, não. Todas as categorias com bases de emails comprometidas.

Também tem vale um mea culpa das próprias empresas de serviço e comércio.

As que já existiam reativaram bases antigas – obviamente desatualizadas. E as que não usaram a verificação de e-mail para checar o status de cada endereço de email… Já sabem, né? Não? Pule o parágrafo anterior e releia a conclusão.

E as empresas que entraram no digital para sobreviver?

Elas representam um aumento de mais de 400% no número de abertura lojas de comércio eletrônico, em relação ao mesmo período de 2019. Traduzindo: não tinham base de e-mail. Algumas centenas recorreram à compra de listas e também encararam a trave, ao invés do gol.

Milhares de outras captaram os leads nas campanhas de marketing digital, por landing page. Bom recurso, já que as redes estavam fervilhando. Mas, sem a ferramenta de verificação de email na hora do preenchimento, perderam mais de 13 % de leads.  O dinheiro curto para investir foi desperdiçado desnecessariamente.

As que usaram as ferramentas de verificação de e-mail podiam ter perdido mais de 60%, no caso do setor de beleza e cosméticos, mas, recuperaram boa parte com essa ajuda simples.

Categoria a categoria: O que aconteceu?

A pesquisa faz um mergulho em cada categoria, veja se encontra a sua aí:

Segmentos avaliados na Pesquisa qualidade das Bases de emails

Com esse levantamento detalhado, fica mais fácil planejar o que vem pela frente. Afinal, 2021 para muitas categorias ainda tem cara de 2020…. E é verdade que, mesmo a parte do mundo que já está mais “normal”, está aproveitando todas as lições de 2020 para se relacionar melhor com cada cliente.

Você também está aproveitando?

Baixa a pesquisa que ela vai ajudar a sintonizar ainda melhor sua base de e-mails.

 

 

E se o seu desafio continua a ser email inválido ou de risco, a Safetymails está aqui para eliminar, de vez, essa dor de cabeça. Ou melhor, essa dor no bolso. Fala com a gente!

Share this post